Recursos

Gémeo em Terra e gémeo no Espaço

A NASA mostra as mudanças dos irmãos Kelly



Nível de ensino

12.º Ano | 5.º Ano | 6.º Ano | 7.º Ano | 8.º Ano | 9.º Ano | 10.º Ano | 11.º Ano

Área disciplinar

Ciências Naturais | Estudo do Meio | Conhecimento do Mundo | Física | Química | Biologia

Área temática

Astronomia | Corpo humano | Química | Exploração espacial | Genética | Ambiente | Saúde

Palavras-chave

Astronautas | corpo humano | Efeitos do Espaço | NASA | Viver no Espaço

Tipologia

Vídeo


Este vídeo da NASA mostra-nos os efeitos sentidos pelos humanos no Espaço ao longo do tempo, através de um estudo comparativo com dois astronautas gémeos idênticos. O projeto foi denominado de “Twins Study”.


Scott Kelly passou 340 dias seguidos no Espaço, na Estação Espacial Internacional (ISS), enquanto o seu irmão Mark Kelly permaneceu em Terra. No entanto, a experiência de monitorização paralela dos dois astronautas decorreu durante 27 meses, tendo-se iniciado em 2015. Começou antes do lançamento e prolongou-se depois do regresso, com o objetivo de perceber quais os efeitos permanentes e os “recuperáveis” quando o corpo humano está sujeito ao ambiente inóspito do Espaço.


Algumas conclusões foram reveladas antecipadamente, como as que davam conta de um possível “crescimento espacial” ou mesmo de um “rejuvenescimento”. Os resultados finais foram publicados em 2020 na revista Science com uma explicação detalhada das observações efetuadas.


Os principais resultados deste estudo incluem descobertas relacionadas com alterações genéticas e a resposta do sistema imunológico à vida no Espaço, para além de outras relacionadas com a capacidade cognitiva e com o sistema cardiovascular. Muitos deles estão em linha com dados recolhidos em estudos anteriores e de outras investigações em curso, de acordo com a NASA.


Também atestaram que o sistema imunológico responde de forma apropriada, já que a vacina contra a gripe administrada a Scott no Espaço funcionou exatamente como teria funcionado em Terra.


“Ainda sabemos muito pouco sobre o que acontece ao corpo humano no Espaço”, apontou Jennifer Fogarty, cientista-chefe do Programa de Investigação Humana do Johnson Space Center da NASA, em Houston. “O Twins Study deu-nos uma primeira visão integrada das mudanças genéticas e demonstrou como o corpo se adapta e permanece robusto e resistente, mesmo depois de passar quase um ano a bordo da ISS”.


A intenção da NASA é continuar a explorar os dados resultantes de investigações deste tipo durante os próximos anos.